É o bem contra o mal – e você de que lado está?

Indignação

Indignação

Essa montagem veio do Facebook, e posto aqui porque representa a indignação e coragem de pessoas em defender seu direito, suas idéias, seus valores. Enorme coragem diante da pressão da força bruta.

Estou indignada!  Há anos não sentia essa indignação incontrolável, sede de justiça, comprometimento com um valor até o fim, custe o que custar. ESTOU INDIGNADA.

Insisto, posto, declaro minha indignação – porque não tenho nada a perder, o fim já está aqui na minha frente, nessas fotos, nos acontecimentos. PROFESSORES FORAM TRATADOS COMO VÂNDALOS.

Um professor militante, que luta há anos nunca viu essa violência contra servidores públicos. O dono do bar Amarelinho na Cinelândia nunca teve que fechar as portas, durante a ditadura, durante todas as manifestações anteriores – e algumas recentes bastante violentas – mas fechou as portas no dia da manifestação dos professores contra a votação do seu plano de cargos e salários.

Eu nunca tinha recebido spray de pimenta, mesmo sendo também militante. No dia da votação do interesse dos professores, eu recebi!

EU ESTAVA LONGE!

Como já escrevi antes, é o bem conta o mal – e você de que lado está?

Quando professores recebem esse tratamento  a sociedade rachou profundamente seu alicerce, o povo que faz isso está condenado – a menos que mude isso – essa nação não terá respeito de nenhuma (nunca fomos sérios, mas agora estamos sendo, seriamente desgraçados), é o fim de uma era, do futuro, da vida, enfim, desse mundo.

É O BEM CONTRA O MAL, E VOCÊ DE QUE LADO ESTÁ??

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pela vida, pelo futuro da civilização, da história, pelo bem contra o mal

contra o mal, pela vida e futuro da nação, da civilização

contra o mal, pela vida e futuro da nação, da civilização

Hoje, 01/10/2013, vários professores foram agredidos no centro da cidade, na Cinelândia, por policiais e agentes do BOPE.

Esses professores estavam em manifestação pacífica contra a votação à sua revelia do Plano de Cargos e Salários da Categoria,

na Camara de Vereadores, que foi cercada com grades para impedir a aproximação deles.

Foram proibidos de entrar para assistir, na casa do povo, a votação do seu plano de cargos, um direito primário da democracia.

Por causa da ação de alguns  BlackBlocs (jovens encapuzados  que depredam bancos e confrontam policiais) a polícia começou a atirar bombas, spray de pimenta,  confrontar os manifestantes – que fugiram, como cidadãos sem experiência em confrontar policiais, como é a realidade de um professor.

Foram tantas bombas e sprays que atingiram o Largo da Carioca, a Rio Branco até muito longe, forçando as pessoas, transeuntes, lojistas,  prédios  a se protegerem, fecharem, fugirem. Fiquei presa no Edifício Avenida Central, que fechou as portas de correr das entradas.

O spray entra no prédio e atinge a todos, a mim inclusive, mais de uma vez. O barulhos das bombas  dura pelo menos 3 horas, de 4:30 até mais de 7h da noite. Há policiais em toda parte.

A pimenta causa dor nos os olho e obriga a pessoa a se afastar do perigo, pela dor e sufocação – o afastamento é  involuntário, reação imediata do organismo para proteção contra agressão que causa dor e impede a respiração. É possível que uma professora tenha falecido em função da quantidade de spray espalhada pela cidade, que subiu até o 32º andar do edifício.

Notícia nas redes sociais na madrugada, não oficial – ainda…

Na minha opinião, o que vi e vivi hoje é  algo que precisa ter repercussão nacional e internacional. Absolutamente insuportável, inadmissível, irreversível.

PROFESSORES FORAM TRATADOS COMO VÂNDALOS.

PROFESSORES FORAM TRATADOS COMO VÂNDALOS.

Isso é o fim de uma sociedade, de uma era na história de um povo, de um país. É o bem contra o mal.

Não é esquerda contra direita, comunistas e capitalistas, é o bem contra o mal.

Professores foram impedidos de entrar na Camara de Vereadores por grades; tiveram que correr de bombas de gás lacrimogêneo e de spray de pimenta, que foram lançados contra eles e contra todas as pessoas que estavam presentes num raio de mais de 500m no centro da cidade do Rio de Janeiro.

Policiais do BOPE agiam como  quando entravam nas favelas lutando contra traficantes armados.

Professores apanharam da polícia, foram feridos, agredidos e receberam spray de pimenta, gás lacrimogêneo.

A cidade era uma praça de guerra – CONTRA OS PROFESSORES. P-R-O-F-E-S-S-O-R-E-S.

É o fim dessa era, dessa história, do mundo. Nada será como antes nesse país. Nunca mais.

O PROFESSOR É MEU AMIGO, MEXEU COM ELE MEXEU COMIGO.